sexta-feira, outubro 14, 2005

Ode ao ir e vir

Ode ao ir e vir

Neste mundo há quem se venha
Mas também quem só se vá.
Parece então que o encontro
Com quem se venha ou não venha
Seria um acto de louco
Desencontro que não dá

Por-se-á então a questão
Do como é que se dará
Esse encontro ou acidente
Colisão inconsequente
Entre o que irá e virá

É que no venha não venha
Neste ir e vir de lá
O corpo corre com gosto
Com suor que cai do rosto
No corpo de cá pra lá

Torna-se agora indiferente
A diferença então premente
Entre o partir e chegar
Entre o ir e o regressar

Assim parece a batalha
Cá e lá, encruzilhada
Em que o ganho e o perdido
O « se » do vindo ou do indo
Se torna em nada mais nada

É então que quem se foi
E trazendo o se de volta
Grita e repete bem alto
Como um ladrão num assalto
Que se vai e já não volta

Assim se fica pasmado
Iku-iku libertado
Já ido e nunca chegado
A lugar de nenhum lado

Pra quem vai e já lá está
Pra quem vem de lá para cá
Por quem quer o vir e ir
Que fique bem demarcado
O percurso é cruzado
Porque quem quer ir quer vir
E o caso está arrumado

6 comentários:

Anónimo disse...

Will lawmakers raise shields to protect bloggers?
There's a knock at the door and suddenly you've been subpoenaed. A judge wants the notes that led to the latest posting on your blog.
Find out how to buy and sell anything, like things related to private road construction on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like private road construction!

ambrozote disse...

Xubido entra em grande pela Sanita adentro!
Um dos melhores poemas do milénio!

babaloud disse...

Belo poeta, é a aquisição do século.
Mas, Ohhhhh Xubido!!! O que é Iku-iku????

calimero disse...

as rimas são muito bonitas. a métrica também. a metafisicalidade da abordagem é excelente.

xanana disse...

concordo Babaloud, mas o que é isto do iku iku? E quem é este gajo novo?

Smarttongue disse...

And isnt it ironic? Dont you think?